quinta-feira, agosto 26

Ato IV - A loucura

"Enquanto torço meus neuronios por uma resposta, busco dentro de mim algo que não encontro.As paredes dessa jaula irão rever  minha insanidade, gritarei mentalmente para que se escute o eco de meus pensamentos em minha voz, a loucura é constantemente mutável, mudando a cada situação apenas pra permanecer viva.
Nos ombros carrego o peso de minha vontade e as mágoas que me atormentam, de toda essa brilhante escuridão existe força pra seguir adiante?Sim, sempre existe força tem que existir um pouco mais certo?
Nessas frases que profecio o que para muitos é uma loucura, mas para mim é a realidade, envolto em fantasias doidas e devaneios sem sentido, do fundo do meu ser existe apenas uma verdade que o tempo não apagará.
E se lhe importas apenas que me cale, me calarei e não serei mais um problema, apenas a sua solução.Se isso lhe dará calma."
Disse o interno do manicomio um dia para o guarda ao agarrar-lhe o braço, eu vi com esses olhos, e juro que tentei entender o porque, mas depois daquilo ele nunca mais falou, se comportava normalmente, comia bem, fazia exercicios.Nem mais sinais de esquizofrenia apresentou, suponho que apenas se cansou de sua realidade, deve ter esquecido o prazer em ser o que era, se havia prazer, se não havia...
O que nos preocupou quanto a sanidade dele, mas depois me preocupei com a minha...

quinta-feira, agosto 5

Agora e depois e depois e depois.....e depois?

Tudo começa com um estalo, um clique como se tudo se encaixasse, como se o vento parasse o tempo parasse, até a terra porque você percebe que em uma fração de segundos você conseguiu pensar à frente, imaginando que seria seu proximo pensamento.
Uma gama imensa de possibilidades, todas tão irreais quanto possíveis, o céu poderia entrar em chamas;sua pele poderia virar marshmallow  ou o chão podia ser feito de penas brancas, mas de todas essas possibilidades apenas uma pode se resolver. Afinal se o céu for azul ele não pode ser rosa-choque.
Quando se joga uma moeda pro alto é possivel que ela caia de pé, mas a chance é bem pequena, mas antes que ela caia é completamente impossível dizer se ela vai cair cara ou coroa ou de pé ou se desintegrar no ar e virar um monte de pó.
Antes de se tomar qualquer ação, não tem como se saber o que resultara dela exatamente a menos que se tenha tentado aquilo para ver a consequência.É quase inacreditavel pensar que dentro de um único dia  existe tempo o suficiente para que muitas ações sejam tomadas tornando basicamente impossivel prever o final exato de qualquer evento seja ele qual for que você esteja analisando.
Quando se trata de pessoas existe um fator caótico que é a vontade, o livre-arbítrio, é o desejo do ser de fazer alguma determinada coisa.Por exemplo: Dois amigos se encontram na praça de muito tempo e um se cumprimenta dizendo: "Até onde vamos?", porque eles podem tomar qualquer rumo de qualquer conversa que eles desejarem, então podem entrar em tópicos dificeis como fisica quantica ou simples como o cotidiano.
Depois disso o resto é historia,no final uma cortina vermelha de veludo cai e tudo continua como se nada tivesse acontecido.

quarta-feira, agosto 4

O prisioneiro e sua prisões.

Eu sou o prisioneiro,prisioneiro do nome que me der ou do nome que eu me apresentar.Todos somos prisioneiros de um plano existencial,de uma condição, de um legado, de um destino e de um passado.
Temos todos Direitos e somos prisioneiros deles pelos grilhões dos Deveres, prisioneiros além de tudo das nossas escolhas. Todas as prisões não necessariamente são ruins mas todas te mantem preso.
Em liberdade sou prisioneiro dela, não podendo retornar ao cárcere que a tanto fui acostumado, depois de tomar uma decisão não podemos voltar atras dela portanto somos prisioneiros além de tudo do tempo.
Prisioneiros do nosso ponto de vista: baseado em passado, epoca cronologica e o meio de criação. Prisões, semi-fechadas, semi-abertas, liberdade todas se auto-excluem tirando a liberadde de se escolher elas, claro afinal quem trocaria ser livre pelo cárcere?
A questão é até onde temos liberdade dentro da liberdade.Somos todos prisioneiros em liberdade, esperando o cárcere eminente por qualquer que seja o motivo legal, criminal psicologico, rotineiro,incerto,oculto,confuso ou simples.
Depois disso cai uma cortina vermelha e ninguém pode sair das cadeiras sem que tenham aplaudido o suficiente, ou não.