quarta-feira, outubro 20

Aquilo

Depois daquilo ter acontecido,
Não há fogo que me esquente,
Meus pés doloridos pelo caminho percorrido
Não há comida que me alimente,
Nem abraço que me console,
Do pó ao pó, das cinzas as cinzas
Do beijo ao escarro, nada que me revolte
Não carrego dentro de mim nem luz nem trevas,
Não conto mágoas, nem rogo pragas
Aquilo que importa é apenas sinceridade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário