quarta-feira, fevereiro 9

O rio da alma

Sentimentos sem fim
Rios de pensamento
fluindo eternamente
Todos desaguando no oceano

Oceano descomunal
Dos seres que trilharam seus caminhos
Que viveram em demasia
que viveram e sentiram
tudo que havia

Vejo ao longe o horizonte
horizonte que nunca vai chegar
Horizonte que sempre tem mais um pouco
Esqueço dele pra poder enxergar

O que existe além da visão
o que está além da criação
Aquele velho momento

Temos que abster
De todo desejo de parar
de toda pedra no rio
que teimamos em contornar

A grande corrida do rio
não pode se deixar carregar
o rio faz a correnteza
Nade quem quiser
Pra onde a vida levar

Nenhum comentário:

Postar um comentário