segunda-feira, maio 2

Exploração

Era um daqueles noticiários,
noticiário sanguinário,
sanguinário porque festeja ao
explorar a desgraça alheia

de Fukushima às crianças,
criança vitima de matança,
matança alheia ao leitor,
leitor na segurança do conforto.

Conforto tirado do povo,
povo controlado,
controlado pelo pavor,
pavor de ser manchete.

Manchete com mil mortos a mais
mas, as alterações gerais, nem se nota
notariam se estivessem a preocupar-se,
e se preocupam apenas depois de ler.

Ler o próprio noticiário
noticiário do muito sanguinário
que explora aquele coitado,
coitado do observador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário