sexta-feira, agosto 19

pedaço de poema


O íngreme barranco da Vida
Que finda em um abismo.
A ladeira que se começa de quatro
E termina por cair
Deitado de costas na Escuridão.
O despenhadeiro escorregadio dos Tempos,
Que sob a ótica do vivo,
Não tem fim,
Mas existe um final,
Que não pode ser percebido
Daquela Escuridão dentada
Que engolirá tudo aquilo
Que puder degustar com sua
Língua áspera de Lima Temporal.
(...)

Um comentário: